Psicologia veterinária

Psicologia veterinária

Conheça o ramo que estuda a mente dos nossos pets

 

 

Todo tutor sempre fica atento aos sinais de quando o pet não está bem de saúde. Porém, nem sempre é no corpo físico que os animais demonstram que precisam de cuidados. Assim como os seres humanos, eles também precisam de atenção quanto à saúde mental.

 

A relação entre humanos e animais se mostra muito mais profunda que apenas trocas de afago e de companheirismo. Este é um dos fatores que demonstram a importância de compreender o comportamento animal. Para o médico veterinário também há vantagens de se aprofundar no assunto, pois doenças psicossomáticas também afetam os pets.

 

 

O que é Psicologia Veterinária?

A Psicologia Veterinária, também conhecida como Psicologia Animal, é a área que estuda o comportamento animal a partir de suas relações sociais com os humanos e seus processos mentais cognitivos. É importante lembrar que os animais são considerados seres sencientes, ou seja, percebem o mundo através de suas sensações e possuem um pequeno grau de compreensão de suas ações e dos outros.

 

 

Psicologia Veterinária e Etologia

Apesar da semelhança nos estudos, são áreas diferentes. A Etologia é o ramo que estuda o comportamento animal em seu ambiente natural, baseada da Teoria da Evolução, permitindo a compreensão de como funciona sua relação com os humanos.

 

A Etologia é um dos pontos de partida da Psicologia Veterinária. Com o entendimento do comportamento natural dos animais é possível compreender e avaliar seu convívio no meio urbano. A partir de tal compreensão, a Psicologia Animal consegue ter ferramentas para prevenção e tratamento de doenças emocionais.

 

Por exemplo: a partir dos estudos etológicos, sabe-se que cachorros são naturalmente animais extremamentes sociáveis e que não ficam bem em situações de isolamento. Por isso, é possível que cães tenham depressão em casos de abandono e grande distanciamento dos tutores, assim como desenvolver ansiedade por conta de uma separação iminente. A Psicologia Veterinária traz técnicas para identificar os sintomas e tratá-los de modo a trazer conforto, segurança e saúde emocional para o pet.

 

 

Quais comportamentos são avaliados?

O psicólogo irá avaliar o comportamento a partir de aspectos físicos e emocionais. Os hábitos de higiene, comportamento alimentar, atividades físicas e relação com os tutores são alguns dos fatores que o psicólogo irá considerar. Por isso, é importante sempre atentar para qualquer alteração no comportamento dos pets, como falta de apetite, aumento de agressividade, carência, entre outros.

 

Como a relação com os tutores é algo fundamental na vida de um pet, é comum que o comportamento dos humanos também seja avaliado pelo psicólogo. Mudanças de rotina ou de saúde do tutor podem afetar o comportamento dos animais domésticos.

 

 

Quais cuidados tomar?

Os cuidados com a saúde mental e emocional dos pets começa no momento da escolha. Tente receber em sua vida animais que tenham perfis que se adaptem à sua rotina e moradia. Dificilmente um cachorro reservado e quieto, por exemplo, irá se adaptar à uma família muito agitada e de rotina flexível. Já um pet grande e muito agitado pode ter problemas para se adaptar a uma vida em espaço pequeno, onde não haja como se exercitar.

 

Para aqueles que já possuem pets, o fundamental é sempre estar de olho em qualquer mudança no comportamento habitual. Por exemplo, um gatinho que sempre comeu muito e de repente perde o apetite pode estar com algum problema intestinal, verme, depressão ou estresse, que pode até mesmo ocasionar uma úlcera. Por isso, é importante levar o pet para o veterinário em qualquer mudança brusca de comportamento para ser tratado o mais rápido possível.

 

 

Curtiu saber mais sobre a saúde mental animal? Fique de olho em nosso blog para mais conteúdo sobre o universo pet!